Paula Rocha

Procrastinar

Por Paula Rocha em Abril de 2020

653 visualizações

“Assim que bateram as doze badaladas, na noite de 31 de dezembro, entrámos em 2019! Enquanto comia as doze passas, pedi os habituais desejos para o ano que agora iniciava. Um deles foi perder os dez quilos que se tinham instalado no meu corpo sem pedir autorização. Certa de que a roupa não tinha encolhido, planeei iniciar um fantástico plano alimentar no dia um de janeiro!

Nada melhor que iniciar o ano novo com uma nova atitude.

No almoço de ano novo, ao olhar para o magnifico leitão assado, em cima da mesa, pensei que não era um bom dia para começar a dieta: ainda era festa, havia muita comida e não estamos em tempo de estragar. Em boa verdade, eu faço anos em janeiro e, comemorar os aniversários, é uma tradição familiar. Não seria de bom tom não fazer festa.  Adiei a dieta para fevereiro!

Quando o dia um de fevereiro chegou, pensei que era um disparate iniciar a dieta! Afinal é o mês em que se comemora o dia dos namorados, costumamos sair. Iria beliscar a minha relação não fazer as habituais comemorações. Ficou claro que iria começar em março!

Chegado o mês de março, quando fazia o plano de mês, constatei que a minha nora Susana fazia anos. Como podia ter esquecido? Há sempre festa, mas agora com a bebé o aniversário é mais animado. Não faz sentido começar a dieta num mês que tem uma festa destas. Abril, abril é que é o mês certo para iniciar a dieta.

O tempo passou e chegámos a abril. Como é possível? A Páscoa é em abril. Pão de ló, amêndoas, ovos de chocolate. Que disparate!! Como foi possível esquecer-me? Em definitivo não é um bom mês. Defini iniciar em maio.

Pois, mas em maio o meu marido faz anos. Não, em definitivo não. Começo em junho!

Pensando bem, em junho faz anos a minha nora Catarina. E logo uns dias depois o meu filho Gonçalo. Nem pensar! Começo em julho. Julho é um excelente momento. É o início do segundo semestre, é uma excelente altura para começar!

Pois, mas em julho vou de férias. Ir de ferias não combina com fazer dieta. Nem vou conseguir descansar! Fazer dieta causa pressão, vai estragar-me as férias. Resolvi adiar para agosto!

E o tempo passou e chegou agosto. Azar! O meu irmão faz anos e convidou-me para ir a Lisboa passar uns dias. Foi com muita tristeza que tive de adiar outra vez o início da dieta:  não fazia sentido ir para casa do meu irmão, incomodar com esquisitices na alimentação. Adiei para setembro, absolutamente certa de que em setembro é que ia ser!

E setembro chegou num ápice. Foi o regresso ao trabalho, com os clientes todos a quererem começar rápido, cheios de novas ideias que trouxeram das férias, dispostos a alterar o planeado, o que me causa imenso stress. Não havia condições para alterar a minha alimentação. Andava tão ansiosa. Pensei que, lamentavelmente, teria de mudar o início da dieta para outubro!

Rapidamente percebi que não podia ser: faço anos de casada e costumo ir uma semana de ferias. Passei para novembro, com profunda tristeza…

Quando chegou novembro, tive de ir duas semanas para Lisboa em trabalho. A comer em restaurantes e hotéis não há condições para fazer dieta. Bom, mais vale tarde que nunca, começo em dezembro!

E dezembro chegou com o aniversario do meu filho Bernardo no dia um e a minha neta a 15. E para além disso há o Natal. Não há condições! A data certa é mesmo dia um de janeiro. E assim ficou definido que iria iniciar a dieta no dia um de janeiro de 2020”

Identifica o que se pretende demostrar nesta história? Pois, estamos a falar de procrastinar.

Procrastinar é adiar. Mas adiar nem sempre é procrastinar!

Adiar os compromissos uma vez ou outra não é grave, sobretudo se estiver dentro do prazo. O problema é quando procrastinar é um hábito.

Há várias razões para procrastinar. Por exemplo, quando temos prazos alargados para entrega de tarefas, tendemos a adiar a tarefa até ao limite máximo do prazo de entrega.

Tendemos a protelar tarefas que exijam muita responsabilidade. Ficamos a aguardar reunir todos os dados ou todas as condições. E não há situações perfeitas. A preguiça é outra das razões que, muitas vezes, também leva aos adiamentos.

Existem razões emocionais e até fisiológicas que podem justificar os referidos adiamentos que são altamente prejudiciais aos indivíduos.

Os estudos mostram que a procrastinação está diretamente ligada à nossa saúde mental. Dito de outra forma, está associada à maneira que lidamos com as nossas emoções e estados de humor negativos - tédio, ansiedade, frustração, ressentimento e insegurança.

Aplica-se a máxima “Mais vale esquecer os problemas por um tempo do que tentar compreendê-los e resolvê-los”, a famosa história do beber para afogar as tristezas.

Procrastinar é um hábito possível de alterar!

Sugiro sete dicas para deixar de procrastinar:

1)    Identifique um padrão: procure identificar o que o faz procrastinar;

2)    Dê um primeiro passo: defina uma meta e comece;

3)    Divida as tarefas em subtarefas. É mais fácil de se comprometer e de ter êxito! Além disso, as pequenas vitórias são altamente motivadoras. Como se come um elefante? Partindo-o aos bocadinhos;

4)    Aumente o foco e a concentração: faça uma coisa de cada vez evitando estímulos externos;

5)    Faça a gestão das suas emoções. Estar de mau humor (ou outra qualquer emoção) não é razão para não executar a tarefa. Esquivar-se de fazer algo com a desculpa “do humor” é uma forma de regular externamente as emoções como por exemplo, medo de falhar, de dececionar os outros, perda de autoestima, medo de não fazer bem, etc;

6)    Contemple os imprevistos na sua planificação. Identifique fatores externos e internos que podem impedir a normal execução da tarefa para assegurar que tudo vai correr bem;

7)    Visualize o seu novo “eu”. Defina na sua mente a pessoa em que se quer transformar. O ‘eu’ de amanhã terá mais energia, mais força de vontade, estará mais focado e comprometido com fazer as atividades quando devem ser feitas.

Ninguém adia tarefas porque lhe dá prazer. Antes pelo contrário, adia porque lhe causa dor e, quase sempre, o individuo está absolutamente consciente que tal facto irá ter implicações negativas. As pessoas procrastinam porque não sabem como não o fazer.

Procrastinar é um comportamento e os comportamentos são aprendidos. Se o comportamento de procrastinar não gera os resultados expectáveis, só tem de aprender um novo comportamento ou comportamentos que potenciem os resultados desejados.

Quanto mais claros forem os seus sonhos e objetivos, mais evidente se torna a necessidade de alterar o comportamento de procrastinar.

Não há limites para o Homem quando o Sonho é grande!

Paula Rocha


ARTIGO MAIS VISTO

Reforçar a imunidade é urgente

Reforçar a imunidade é urgente

Nuno Pacheco
Por Nuno Pacheco em Abril de 2020
Tema Desenvolvimento Pessoal
5426 visualizações

Um contributo da medicina tradicional chinesa na luta contra o COVID-19

Se alguém me dissesse, há ...
Ler mais

OUTRAS LEITURAS

Memórias de um Despertar

Por Pedro Elias
Caminhos de Pax, Lda.
208 visualizações
Pela coragem de uns poucos, Portugal tornou-se o exemplo que inspirou o mundo numa revolução que mudou por completo o planeta. Desde a reforma do velho paradigma realizada pelo António enquanto ...
Ler mais