Dulce Pombo

Qi

Por Dulce Pombo em Outubro de 2021

Tema Desenvolvimento Pessoal / Publicado na revista Nº 23
76 visualizações

No Ocidente por Qi, Chi ou Ki. A primeira nomenclatura, Qi, surgiu na  transcrição do chinês para o nosso alfabeto. A segunda, Chi, deriva da forma como se  pronúncia em chinês. A terceira – Ki -  é a versão japonesa, país onde o livro mais antigo, com referência ao Qi, data de 2.600 anos atrás.

Embora não haja correspondência direta com este conceito no Ocidente, algumas ideias relacionadas são encontradas em outras culturas:  o conceito hindu de prana (“força vital” em sânscrito), assim como o conceito de mana na cultura polinésia. Como sempre, essas semelhanças representam pontos de correspondência e devem ser cuidadosamente avaliadas antes de serem usadas como base para qualquer conclusão.








Quem estudou a filosofia Reiki, aprofundou este ideograma   氣 (Qi) que indica alguma coisa que possa ser material e imaterial ao mesmo tempo, demonstrando que o Qi pode ser tão rarefeito e imaterial como o vapor, e tão denso e material como o arroz.

No entanto,  a palavra Qi não é de fácil tradução. Por essa razão pode ser apresentada de muitas formas: “energia”, “força vital”, “matéria-energia”, “força da vida”, “poder vital”, entre outras. Não existe um termo único e correto para a designação da sua Essência (Jing). 

Quanto à física do Qi

A partir do Tao, o Qi situa-se na fronteira ou   limiar entre o que designamos por  material e por imaterial. É a tido como a base de todos os fenómenos no universo. Tudo é governado, assim como o próprio universo é uma teia de Qi.

O Qi exprime a  “tensão” entre os opostos binários da natureza, o yin e o yang. Assim sendo, o  Qi reside nessa  tensão. Numa interpretação quântica poderemos considerá-lo um super éter. 

Na física, as teorias do éter  propõem a existência de um meio,  campo ou substância  que preenche o espaço necessário na  transmissão e propagação de forças eletromagnéticas ou gravitacionais. Enquanto na filosofia chinesa, a ideia de campo [da física quântica] não está implícita  na noção de  vazio e sem forma. 

Assim sendo, o Qi expressa a continuidade entre matéria e energia. Uma ideia que se alinha ao conceito   massa-energia E=m.c², desenvolvida pelo físico Einstein  -  massa e  energia são duas manifestações diferentes do mesmo princípio.

Foi com Zhang Zai (1020-1077), filósofo chinês que mais contribuiu para o desenvolvimento do conceito de Qi, tal como hoje o conhecemos.

Na sua teoria, o  Qi é invisível e insubstancial, mas quando condensa, torna-se sólido ou líquido adquirindo  novas propriedades: pedras, árvores e até pessoas. Não há nada que não seja Qi. Assim, tudo possui a mesma essência, uma ideia que tem importantes implicações éticas.





Mutações do Qi

Sendo que o Qi passa por um processo contínuo de condensação e dispersão nunca é criado ou destruído, tal como  água, na forma líquida ou congelada permanece a mesma. A condensação é a força yin do Qi e a dispersão é a sua força yang.

A vida humana é  uma condensação de Qi, e a morte a dispersão do Qi: “Todo nascimento é uma condensação, toda morte uma dispersão. Nascimento não é um ganho, a morte não é uma perda… quando condensado, o Qi transforma-se em seres vivos, quando disperso, é o substrato das mutações (…)  Aquilo que preenche o universo eu considero meu corpo”, “Todas as pessoas são meus irmãos e irmãs, e todas as criaturas são minhas companheiras”. ”. (Zhang Zai)

Lidar com o  Qi na prática

A cosmovisão chinesa é imbuída deste  conceito extremamente rico e complexo. Mas o  Qi é também usado de forma muito prática e entendido como “energia” no discurso cotidiano, como por exemplo:  “minha energia está baixa” ou “estou plena de energia”.  

Na filosofia chinesa, a harmonia do universo e a saúde do ser humano dependem do livre movimento do Qi e usam de recursos terapêuticos para manter e equilibrar o Qi do organismo humano. 

O  Qi assume “diferentes roupagens”: Qi Nutritivo (Ying Qi) que existe no interior do organismo, cuja  função consiste em nutrir e o Qi Defensivo (Wei Qi), no  exterior e protege o organismo. Sempre que haja  desequilíbrio tanto do Qi Defensivo como do Qi Nutritivo originará diferentes manifestações clínicas as quais irão exigir diferentes tipos de tratamento.

O qui circula em “canais” pelo corpo -  Meridianos (jing luo). Doenças são consideradas, dentro dessa estrutura, como produto do fluxo de Qi interrompido, bloqueado ou desequilibrado. 


Embora não haja correspondência direta com o conceito Qi no Ocidente, algumas ideias relacionadas são encontradas em outras culturas:  o conceito hindu de prana (“força vital” em sânscrito), assim como o conceito de mana na cultura polinésia. Como sempre, essas semelhanças representam pontos de correspondência e devem ser cuidadosamente avaliadas antes de serem usadas como base para qualquer conclusão.

Dulce Pombo







ARTIGO SUGERIDO

Fisioterapia Pélvica na Saúde da Mulher

Fisioterapia Pélvica na Saúde da Mulher

Andresa Cruz
Por Andresa Cruz em Agosto de 2021
Tema Desenvolvimento Pessoal / Publicado na revista Nº 22
599 visualizações

A fisioterapia pélvica é a área de atuação da fisioterapia responsável pela saúde do pavimento pélvico, seja na manutenção e prevenção de ...
Ler mais

OUTRAS LEITURAS

Dharma Marketing

Por Paulo Vieira de Castro
870 visualizações

O autor parte para a dimensão espiritual dando como exemplo o momento em que nos deparamos com alguém. Deste encontro nasce uma terceira entidade que é a alma da relação; porque seria ...
Ler mais