Dora Gonçalves

As Doenças da Criança e a sua relação com a mãe - O que nos querem comunicar?

Por Dora Gonçalves em Dezembro 2020

Tema Educação / Publicado na revista Nº 18
87 visualizações

No último artigo escrevi (https://www.revistaespacoaberto.pt/artigo-detalhes.php?id=343) um pouco sobre da fusão emocional: Mãe/Bebé, sobretudo até aos dois anos de idade.

Hoje trago-vos outra perspetiva dessa ligação emocional que mostra como a relação Mãe/Bebé é constante e como a energia da mãe vai influenciar a saúde do filho. Muitas vezes a mãe,sente-se fragilizada, sensível, aborrecida com algum acontecimento da sua vida ou manifesta alguma doença. Como consequência da “fusão emocional” entre os dois ,surgem na criança algumas doenças que estão profundamente conectadas com a “doença” da sua mãe. 

O que é que isto significa?

Significa que, se a mãe não estiver completamente livre de pensamentos negativos, problemas na sua vida pessoal ou profissional, problemas familiares, etc,toda essa informação tóxica irá  manifestar-se no seu plano físico, emocional, mental e espiritual.

Ora, as crianças, como seres “fusionados”com a mãe; vão captar todas essas energias  que, por sua vez, se irão manifestar no seu corpo,através de variadíssimas enfermidades.

Poderão surgir como:

Resfriados e mucosidades -  Os resfriados estão muito associados a “aborrecimento” e a “enfartamento”. É igualmente uma maneira de dizer “basta”. Também é uma maneira de chorar ( há mucosidades e lágrimas por todos os lados ). As crianças que apresentam frequentemente resfriados, otites, asma e espasmos respiratórios são as que mais chamam a atenção dos progenitores. As enfermidades respiratórias estão relacionadas com as crises quotidianas, têm também ligação com o contacto e com as relações.A gripe permite-nos dizer: “Não te aproximes; preciso estar sozinho, limpar as toxinas, fazer o que me apetece”. Também é uma maneira de chorar. As mães têm uma infinidade de motivos para chorar, por isso os bebés choram muito e têm resfriados com frequência. O resfriado está associado com o excesso de água que necessitamos expulsar.



Asma - A asma surge quando se inspira mais ar do que aquele que se expulsa. Há um desequilíbrio entre dois polos, entre o dar e o receber. Dar e receber, nos planos emocionais, corresponde a dificuldades inconscientes, pois o ar é suficiente para todos. São pessoas pouco generosas, embora inconscientemente.

Os médicos recomendam a montanha, onde o ar é mais puro. Em geral são pessoas muito mentais, elevadas, intelectuais, inteligentes. O que a asma traz como mensagem é que necessitamos de incluir o polo menos apreciado: o corpo, as emoções, o contacto, os afetos.As crianças que efetivamente sofrem de asma necessitam de mais contacto corporal, colo, mimos, carícias, disponibilidade de tempo e a presença da mãe. Também a mãe se deve questionar sobre as suas dificuldades sexuais, de controlo corporal, etc.

Alergias - As alergias são uma manifestação física que esconde a agressividade. Podem ter uma manifestação respiratória ou ao nível da pele. Os alérgicos sentem alergias com as coisas mais inofensivas, como as flores, a primavera, o pólen, as plumas, o vento, os animais, etc. Os alérgicos por norma são pessoas que se dão bem com todos. Este polo de agressividade manifesta-se com as coisas mais inofensivas. Também estão ligadas com a sexualidade, a primavera, a fecundação, a exuberância, entre outros. Nas alergias da pele o que não se tolera é o contacto; e no caso dos bebés há situações bem definidas: quando os bebés não têm satisfeitas as suas necessidades básicas de contacto físico, então a sua pele reclama carícias. Aos que manifestam a “sombra” da mãe é pertinente perguntar:

A mãe tolera o contacto físico com os outros?

Como vive a sua sexualidade?

Entra em contacto físico com os seus sentimentos?

Tolera os afetos íntimos?

A pele pode ter mensagens importantes. É o limite, a fronteira entre o dentro e o fora, o que separa o “eu” do “tu”. É a fronteira pessoal e a proteção. Uma pele sensível revela uma pessoa sensível. A pele endurece quando estamos excitados, irritados, ou quando sentimos vergonha. Na pele manifestam-se os nervos, medos, desejos. Normalmente o que aparece à superfície da pele são situações inconscientes, superficiais e fáceis de resolver.

Infeções - As infeções correspondem a “guerras” materializadas no corpo; correspondem a conflitos prévios que não pudemos reconhecer. Quando o “inimigo” aparece: bactérias ou vírus, o nosso corpo trata de se defender aumentando a sua temperatura – a nossa melhor arma frente ao inimigo. Depois de tratados, conseguimos evoluir (em crescimento, compreensão e sabedoria), caso tenhamos aprendido a lição; podemos então criar imunidade.

Quando temos infeções poderemos questionar-nos:

Por que luto?

Com quem estou aborrecida?

O que é que não quero admitir?

Contra o quê ou quem estou a lutar?

Que conflitos se me apresentam e não me posso dar conta?

A quem não posso perdoar?

Então, quando se trata de uma  infeção numa criança pequena, é necessário estudar a criança e a mãe, dando uma olhadela à “sombra” da mãe para perceber quais são os conflitos que estão por detrás da mãe. É necessário resolver esse conflito interno para que se possa tratar o corpo físico e espiritual. Por exemplo, o dar e o receber muitas vezes não são manifestados pela criança pequena que necessita comunicar, ou, no caso de crianças maiores, não o faz porque a mãe ou pai não lhe dão oportunidade (pais muito rigorosos e, por vezes, castradores); então fisicamente isso pode manifestar-se nas mucosidades, na produção de matéria fecal, etc.



Problemas digestivos - Há que avaliar se as ordens digestivas estão ligadas à alimentação ou a fatores emocionais “mãe – bebé”. É sempre preferível a amamentação ao peito do que a amamentação com outro leite, pois haverá campo aberto para mais alergias, infeções, mucosidades, resfriados, etc.

Por outro lado convém perceber o que é que a mãe está a “digerir” mal na sua vida; o que é que ela não está a aceitar. 

Todas estas situações físicas e emocionais são  transmitidas  aos  filhos de forma inconsciente.

Estes são alguns pontos de reflexão para os pais. 

A vinda de uma criança é uma grande oportunidade para repensar o que está certo e o que está errado na vida de cada um, especialmente da mãe, que mantém uma ligação mais próxima com o seu filho.

São também oportunidades de vibrar numa nova consciência que esta criança está a pedir para se relacionar com a família e com o mundo. Por sua vez, quando os pais aumentam a sua vibração conseguem perceber melhor as necessidades do seu filho e começam a conhecer-se também a eles próprios, de uma forma que ainda não o tinham feito.

Vibrarão numa sincronia fantástica e harmónica.

Dora Gonçalves ( Coach Parental )




ARTIGO SUGERIDO

«Atreve-te a fazer!» Para tornar-te “tu mesmo” é fundamental conhecer e experimentar o teu potencial!

«Atreve-te a fazer!» Para tornar-te “tu mesmo” é fundamental conhecer e experimentar o teu potencial!

Francesca Scanu
Por Francesca Scanu em Maio de 2021
Tema Educação / Publicado na revista Nº 20
116 visualizações

Bem vindos á rubrica Eudaimonia da revista Espaço Aberto !!

É um momento feliz para mim, em qualidade de coordenadora da rubrica, inaugurar este projeto que espero possa ser útil, ...
Ler mais

OUTRAS LEITURAS

Murmúrios de um Tempo Anunciado

Por Pedro Elias
Caminhos de Pax, Lda.
627 visualizações
Murmúrios de um Tempo Anunciado é um romance histórico que atravessa um dos períodos mais intensos do Cristianismo. De Décio a Constantino, das perseguições à instauração do dogma, de ...
Ler mais